O longa tem um roteiro bem enxuto, mas que aproveita das coisas simples e dos pequenos detalhes para ser grandioso. Ao mesmo tempo que parece que você já viu tudo isso em outros filmes, ou seja, um cara que ganha super poderes da noite para o dia e resolve se vingar de quem lhe fez mal ou de quem fez mal a alguém que ele goste, Joe Barton conseguiu explorar e abordar tudo isso de uma forma menos caricata, e sem chegar no ponto alto de dizer que o longa é clichê do começo ao fim. Alguns dos pontos positivos estão nos diálogos entre os protagonistas (Tom e Lucy) e também na forma como o próprio Tom lida com seus super poderes. Ele não quer salvar o mundo, ele não quer ser um vigilante, ele quer apenas viver com o mínimo de paz, mesmo sabendo dos efeitos que suas ações podem desencadear. Por outro lado, ele mostra como Lucy enfrenta a consequências psicológicas depois de ter sofrido o abuso sexual.

aug 15 2019 ∞
aug 15 2019 +