“Era como se ele estivesse escondido em um casulo, e o tempo estava constantemente girando ao seu redor. No começo, ainda via luz do lado de fora filtrando-se pelo casulo, mas ano após ano havia mais e mais seda e o casulo ficava cada vez mais espesso, a tal ponto que ele não conseguia mais ver a luz. Dentro do casulo havia apenas ele e a escuridão. Ele não acreditava no amor, não acreditava em encontros casuais, e certamente não queria ir atrás de nada. Se ele mordesse com força o casulo, se cobrindo de feridas e se arrastando sem jeito, sem ninguém esperando por ele do outro lado, o que ele faria? [...] Ele não sabia o que havia feito de errado. O que ele havia feito, que mesmo um sonho tão pequeno foi afogado pela chuva fria e tempestuosa.”

apr 18 2022 ∞
apr 18 2022 +