• ATENÇÃO: possui gatilhos, caso de depressão e ansiedade diagnosticados e sim, eu sei que sou uma pessoa doente e faço acompanhamento psicológico, mas não, não sei porque escrevo num site público e de fácil acesso; sim, extremamente pessoal.

janeiro

  • sexta, 1: quem diria... e lá vamos nós. passei o dia inteiro sozinha, apenas jogando e ouvindo música, sem ninguém pra me perturbar. mas, fiz uma coisa que até agora não estou acreditando: um tinder. de novo. não busco relacionamento, mas apenas conversar. o que é estranho, num app como esse. enfim, acho que apenas sinto falta da minha psicóloga e não tenho muito a quem desabafar. aconteceu uma coisa bem engraçada hoje que eu não vou comentar aqui, mas já registrei em outro lugar.... privado. hmm, nem parece que 2020 foi ontem e que eu tava querendo morrer. que dia estranho. será que, se eu ligar, meu pai vai atender? isso é real? eu não sei o que é real... eu acordei, certo? me sinto perdida. não sei o que sentir, mas não parece que tudo foi um sonho? errrrr, não sei o que fazer. me sinto estranha agora. o que tá acontecendo?
  • sábado, 2: exclui o tinder. falei com duas pessoas. uma desistiu quando falei que só queria conversar e outra pediu meu whatsapp e eu desisti. e aleatoriamente uma pessoa me chamou no messenger, porque viu meu perfil e me chamou, porque eu não tinha dado match e me reconheceu na rua. estamos conversando, deixando bem claro que eu não iria transar, bom, a pessoa entendeu. estamos conversando e ele tem fucking 28 anos. o que eu to fazendo da minha vida? mas é uma pessoa legal, eu acho. ainda tudo parece diferente. essa noite eu tive um sonho estranho com meu pai. sonhei que ele dizia o que eu queria ouvir e eu tive uma sensação tão boa no peito. eu lembro de sentir, mesmo dormindo. foi incrível, mas não lembro exatamente o que era, só que era algo como 'orgulho de você' e.... só. depois ficou esquisito, mas acho que eu misturei tudo. enfim, eu criei várias expectativas e quero morrer. :)
  • domingo, 3: liguei pro meu pai hoje. obviamente ele não atendeu, mas a sensação de vazio meio que me acordou. novamente, a sensação de tudo não passar de um sonho me ronda. tenho saudades dele, apesar de tudo. minha suculenta golfinho morreu. era a minha espécime favorita e ela morreu. além que eu tô evitando pensar em como vou pagar minhas contas esse mês. a vitória pagou o aluguel sozinha mês passado e não faço a mínima ideia do que fazer esse mês. é, isso mesmo, < pânico > . quanto mais eu paro pra pensar, mais me sinto esgotada. não sei o que fazer (:
  • terça, 5: comecei um desafio de 30 dias de desenho, mas fiquei ansiosa e já fiz o dia 6........... e eu tô amando todos os meus desenhos. quem diria que eu tenho tcc... e eu comecei um exercício de meditação... a primeira parte foi incrível, já a segunda, eu dormi. bom demais, não posso desistir. mas eu to morrendo com a rinite. meu olho tá inchado.......... por causa da rinite, meu rosto inteiro inchado. que inferno. e acho que é só. tõ com sono demais pra falar algo mais.
  • quarta, 6: tive psicologa hoje. foi muito bom, porque eu soltei tanta coisa que tava engasgada que, nossa, aliviou. mas na volta, o mototaxista conhecia o meu pai. ninguém me deseja os pesames por perder o pai, mas o que importa é saber porque ele se suicidou. se eu soubesse cada motivo que leva uma pessoa ao suicidio e evitasse cada um deles, eu juro que seria muito feliz, mas eu não tenho essa proeza e não sei porque meu pai morreu. só sei que dói, machuca e eu queria que nada disso tivesse acontecido. eu sinto falta dele, apesar de tudo. eu só tenho as memorias de quando eu fui trablhar com ele, depois tudo ficou conflituoso entre nós. tenho arrependimentos também, porque eu podia ter feito mais, mas nada disso vai trazer ele de volta, então só me resta isso: memorias. falar sobre isso me cansa. me cansa saber que ninguém se importa, que tudo me machuca e que as pessoas não aprendem a não ser um pau no cu ou ter respeito e empatia. enfim, vou me afogar em jogos, é o que me faz evitar pensar.

maio

  • sábado, 8: amanhã é dia das mães, mas só consigo pensar no meu pai. as coisas que a minha mãe fala não são mentiras, meu pai não era presente, não era bom, e eu fui de a filhinha do papai para estorvo. mas por que ainda sinto tanto? saudade, querer ver ele outra vez. eu tenho medo, porque cada vez menos eu me lembro do meu pai. eu não me lembro do rosto dele no dia do enterro, eu não me lembro do rosto dele quando saimos para trabalhar, são borrões. isso me assusta. agora eu tô fazendo terapia em grupo, quando eles disseram que meu pai "estaria lá" quando eu me formasse, por que eu senti que era uma mentira? ele não vai estar lá, eu sinto um imenso vazio e como ele pode estar aqui? mas por que perde-lo desse jeito? eu me sinto sem rumo, sem futuro, sem ação. e minhas alergias vão me matar. queria ir pro upa tomar uma injeção, mas minha mãe está na minha cabeça, falando, falando... sinto falta do meu pai. sinto falta de como minha vida era antes. queria voltar no tempo. ou simplesmente fugir e fingir que nada disso aconteceu, essa não sou eu e sim, sou atreus. fingir que tenho outra vida, como uma boneca, abandonar tudo. será que, com isso, eu teria controle sobre mim? o vazio iria embora? eu me sentiria viva? eu não sei. mas to engasgada, gostaria de experimentar. quem sabe?
jan 2 2021 ∞
may 9 2021 +